sexta-feira, 18 de novembro de 2016

Obras de Misericórida

Quais são as obras de misericórdia?
Há catorze Obras de misericórdia: sete corporais e sete espirituais.

Obras de misericórdia corporais:
1) Dar de comer a que tem fome
2) Dar de beber a quem tem sede
3) Dar pousada aos peregrinos
4) Vestir os nus
5) Visitar os enfermos
6) Visitar os presos
7) Enterrar os mortos

Obras de misericórdia espirituais:
1) Ensinar os ignorantes
2) Dar bom conselho
3) Corrigir os que erram
4) Perdoar as injúrias
5) Consolar os tristes
6) Sofrer com paciência as fraquezas do nosso próximo
7) Rezar a Deus por vivos e defuntos

A lista das Obras de misericórdia espirituais tirou-a a Igreja de outros textos que se encontram ao longo da Bíblia e de atitudes e ensinamentos do próprio Cristo: o perdão, a correção fraterna, o consolo, suportar o sofrimento, etc.

terça-feira, 3 de maio de 2016

Ícone do Senhor das Santas Chagas (Padre Reginaldo Manzotti)

Sobre o Ícone do Senhor das Santas Chagas (Padre Reginaldo Manzotti).

Filhos e filhas,

Na tarde do último domingo, dia 28 de fevereiro, tive a graça de partilhar a imagem oficial para devoção pública e pessoal das Santas Chagas de Jesus.

Tudo começou nas 24 horas em Oração do ano passado quando foi pedido a Deus: “dai-nos uma devoção fruto do Teu Coração”. E foi quando nos veio a Devoção das Santas Chagas de Jesus. Primeiro veio ícone, que está no Santuário Nossa Senhora de Guadalupe, em Curitiba (PR), abrindo a porta capela do Santíssimo Sacramento. 

Sobre o Ícone do Senhor das Santas Chagas assim se expressou o Teólogo e artista Paulo Biscaia: “a iconografia cristã tem por objetivo principal retratar o mistério de Cristo, da Igreja, dos Santos. As cores e gestos retratados nas figuras cristãs colaboram para a apresentação do mistério de Deus entre os homens”. 

No ícone retratado, as cores pelas quais as vestes são representadas seguem o perfil adotado pela escola iconográfica do Mosteiro da Ressurreição em Ponta Grossa, que possui grande referência na pessoa de D. Ruberval Monteiro – OSB, cujas obras encontram-se espalhadas ao longo do território nacional, e também no exterior, sobretudo na Itália.

O azul ao mesmo tempo que é a cor do cosmos, do criado, é a cor do Criador, símbolo Dele. O vermelho apresenta a realidade do sangue e da paixão, do humano que é sacrificado, do martírio. Também a cor da realeza e do poder. Assim, fica entendido que tanto no azul como no vermelho aparecem os símbolos da humanidade e da divindade. 
No dourado ou ouro, as tradições do oriente, bizantina e russa, atribuem a iluminação e o esplendor da eternidade. Amarelo e ouro assumem no conjunto iconográfico a iluminação da Luz de Deus.

As chagas não estão sangrando, e de fato são como um furo, de prego. As Santas Chagas de Jesus dolorosas e gloriosas são presentes, mas não estão sangrando mais. 

O rosto de Jesus tem um olhar firme, não é de um adolescente nem de um ancião, é de um homem de 33 anos que não tem sorriso e nem tristeza, tem afirmação, profundidade.

Os pés estão calçados com sandálias, ressaltando a importância da missão: Ide e evangelizai a todos os povos. Estar a serviço! 

Com uma mão ele lembra, sou Deus uno e trino, o Pai, o Filho e o Espírito Santo, mas na outra mão um envio, porque evangelizar é preciso.

Existem alguns elementos importantíssimos que não se deve perder ou mudar:

A cruz, onde Jesus foi capaz de chegar, por amor. Esse elemento deve nos lembrar de onde Ele esteve e que nós também somos chamados a carregar a nossa cruz.

O resplendor porque aquele que perseverar até o fim será salvo em Cristo Jesus. 

A pedra do sepulcro não é mais empecilho para Cristo, ela está atrás dele, menor que ele, sendo apenas memória, pois a pedra rolou e o sepulcro vazio, Ele deixou. E assim como Ele rolou a pedra do sepulcro, Ele vai rolar as pedras do nosso caminho.

Jesus está pisando de uma tampa mortuária, como que se estivesse dizendo: eu venci a morte!

Assim, a iconografia em seus símbolos abre as portas à catequese, à promessa eterna e ilimitada de um Deus que sendo eterno entra no tempo dos homens. 

Por fim, O Senhor das Santas Chagas nos ensina que por meio de suas chagas somos curados, somos evangelizados, somos evangelizadores. Nos ensina que quando tocamos seu lado podemos abandonar a incredulidade. Ensina ainda que ao tocar suas chagas podemos experimentar a alegria da Ressurreição.

Das chagas divinas emana a força da Igreja que segue e acredita que Evangelizar é preciso.

Deus abençoe,
Padre Reginaldo Manzotti

sábado, 26 de março de 2016

Quaresma - Semana Santa - Páscoa Cristã

O que é Páscoa Cristã:
A Páscoa Cristã é uma das festividades mais importantes para o cristianismo, pois representa a ressurreição de Jesus Cristo, o filho de Deus.

A data é comemorada anualmente no primeiro domingo após a primeira lua cheia que ocorre no início da primavera (no Hemisfério Norte) e do outono (no Hemisfério Sul). A data é sempre entre os dias 22 de março e 25 de abril.

Durante os 40 dias que precedem a Semana Santa e a Páscoa - período conhecido como Quaresma - os cristãos se dedicam à penitência para lembrar os 40 dias passados por Jesus no deserto e os sofrimentos que ele suportou na cruz.

A Semana Santa começa com o Domingo de Ramos, que lembra a entrada de Jesus em Jerusalém, ocasião em que as pessoas cobriam a estrada com folhas da palmeira, para comemorar a sua chegada.

De acordo com o calendário cristão, a Páscoa consiste no encerramento da chamada Semana Santa. As comemorações referentes à Páscoa começam na "Sexta Feira Santa", onde é celebrada a crucificação de Jesus, terminando no "Domingo de Páscoa", que celebra a sua ressurreição e o primeiro aparecimento aos seus discípulos.

Páscoa - começa na Sexta-feira Santa e termina no Domingo de Páscoa.

Semana Santa, segundo a tradição da Igreja Católica Romana, começa com o Domingo de Ramos, quando Jesus entra em Jerusalém e é recebido com folhas de palmeira e termina no Domingos de Páscoa.

Quaresma - A Quaresma começa na Quarta-feira de Cinzas e termina no Domingo de Ramos, anterior ao Domingo de Páscoa. Durante os quarenta dias que precedem a Semana Santa e a Páscoa, os cristãos dedicam-se à reflexão, a conversão espiritual e se recolhem em oração e penitência para lembrar os 40 dias passados por Jesus no deserto e os sofrimentos que ele suportou na cruz.

Durante a Quaresma a Igreja veste seus ministros com vestimentas de cor roxa, que simboliza tristeza e dor. A quarta feira de cinzas é um dia usado para lembrar o fim da própria mortalidade. É costume serem realizadas missas onde os fiéis são marcados na testa com cinzas. Essa marca normalmente permanece na testa até o pôr do sol. Esse simbolismo faz parte da tradição demonstrada na Bíblia, onde vários personagens jogavam cinzas nas suas cabeças como prova de arrependimento.

Por que os católicos não comem carne às sextas-feiras?

Muitos haverão de estranhar a pergunta, pois, aparentemente, caiu em completo desuso a proibição de se comer carne na sexta-feira. No entanto, pela legislação atual da Igreja, essa determinação ainda é válida e, portanto, em pleno vigor.

Abster-se de carne e jejuar na sexta-feira é uma prática plurissecular da Igreja e tem argumentos fortes em seu favor. O primeiro deles é que todos os cristãos precisam levar uma vida de ascese. Esta é uma regra básica da espiritualidade cristã.

Por meio de tal prática é que se pode alcançar com frutos a virtude da temperança, definida pelo Catecismo da Igreja Católica como sendo a "virtude moral que modera a atração pelos prazeres e procura o equilíbrio no uso dos bens criados"[01]. Ela assegura o "domínio da vontade sobre os instintos e mantém os desejos dentro dos limites da honestidade"[02].

Santo Tomás de Aquino diz que o “jejum foi estabelecido pela Igreja para reprimir as concupiscências da carne, cujo objeto são os prazeres sensíveis da mesa e das relações sexuais"[03]. Importante recordar que, na época de Santo Tomás, a disciplina exigia esta prática não só na sexta-feira, mas também na quarta e, além da carne, englobava os ovos e os laticínios.

Historicamente, fazer da sexta-feira um dia penitencial é algo que afunda suas raízes na época apostólica. A Didaqué, uma espécie de catecismo dos primeiros cristãos, dá conta de que o jejum era feito na quarta e na sexta-feira. A Igreja do Oriente, inclusive, permanece com esse costume.

Os Santos Padres também incentivaram sobremaneira este hábito que acabou se consolidando. No entanto, na Idade Média, o Papa Nicolau I, no século IX, instituiu como lei aquilo que era somente um costume. E, assim, a penitência passou a ser obrigatória para todos os cristãos a partir da idade da razão (sete anos).

Ainda no período medieval, em honra à Nossa Senhora, as pessoas passaram a jejuar também aos sábados. Deste modo, o domingo, grande Dia do Senhor, era precedido por dois dias de penitência, em preparação à Páscoa semanal.

Como a Igreja tem seus altos e baixos, tal costume se arrefeceu com o tempo e, inclusive, os fiéis passaram a se questionar acerca da obrigatoriedade da abstinência na sexta e se a não observância desse preceito se constituía um pecado mortal ou leve. Diante disso, o Papa Inocente III, no século XIII, decretou que realmente é pecado grave. E no século XVII, o Papa Alexandre VII anatematizou quem dissesse que não era pecado grave.

Essa foi a disciplina até 1983, quando houve a promulgação do novo Código de Direito Canônico. No cânon 1251, lemos que é obrigatório fazer “abstinência de carne ou de outro alimento [...] em todas as sextas-feiras do ano, a não ser que coincidam com algum dia enumerado entre as solenidades". Com relação a este cânon, a CNBB afirma que o fiel católico brasileiro pode substituir a abstinência de carne por uma obra de caridade, um ato de piedade ou ainda trocar a carne por um outro alimento[04].

Atualmente, a exigência da lei é para aqueles que já completaram catorze anos de idade e não a partir da idade da razão, como era no início, conforme o cânon 1252 do mesmo Código.

Abster-se de carne e jejuar na sexta feira, além de fazer bem para a vida espiritual do fiel, pode ser uma ocasião de testemunho e de catequese para outros. Recusar publicamente, por amor a Cristo, tal prazer pode ser uma forma de incutir no próximo o desejo de também conhecer o Amado, por quem se faz sacrifícios.

Por fim, é importante recordar que o costume de se abster de carne na sexta-feira sempre esteve ligado à Paixão de Nosso Senhor Jesus Cristo, portanto, é mister recuperá-lo a fim de aumentar ainda mais a devoção e a própria configuração Àquele que deu seu Sangue e sua vida por amor a nós, pobres criaturas. E, assim, como não amar de volta? Como não recordar - na sexta-feira - o grande amor que salvou a humanidade?
https://padrepauloricardo.org/
Referências
Catecismo da Igreja Católica, Edição revisada de acordo com o texto oficial em latim, 9ª edição, número 1809
Idem
Santo Tomás de Aquino, Suma Teológica, II, II, q. 147, a. 8
CNBB, Diretório da Liturgia e da organização da Igreja no Brasil, 2010

O que é Eucaristia?


Eucaristia é uma palavra grega que significa “dar graçasou “agradecer”. Esta palavra ganhou um significado novo e profundo quando os cristãos passaram a chamar de “Eucaristia” a Última Ceia celebrada por Jesus. Isto aconteceu porque nesta ceia Jesus “deu graças a Deus” e se entregou total e gratuitamente por amor à humanidade.


Na Ceia Eucarística Jesus transformou o pão e o vinho em seu corpo e seu sangue dizendo: “Isto é o meu corpo… Isto é o meu sangue.” Além disso, ele deu aos apóstolos o poder de perpetuarem este milagre dizendo: “Fazei isto em memória de mim.” Por isso, a Eucaristia tornou-se “sacramento”, isto é, um meio pelo qual Deus se faz real e eficazmente presente entre nós.

O sacramento do Corpo e Sangue de Cristo nos dá a vida em plenitude. Esta vida consiste, primeiramente, em comungarmos o corpo e o sangue de Jesus e tê-lo dentro de nós. Quem experimenta sabe o que é comungar o corpo e o sangue do Senhor. Mas, além disso, esta vida de Deus dentro de nós preenche o anseio mais profundo do nosso coração, dando-nos um novo gosto para a vida: o gosto do amor e da comunhão.

Quem participa da mesa da comunhão torna-se um com Jesus e colaborador no projeto de Deus, defendendo, protegendo e promovendo a vida.

Por isso a Eucaristia é o Sacramento dos Sacramentos, pois coloca Jesus Cristo no centro da vida cristã e motiva o amor solidário entre as pessoas, famílias, comunidades e Igreja. A Eucaristia ensina que o amor ultrapassa o individualismo e a acomodação.

Os judeus celebravam na Páscoa a libertação da escravidão no Egito para a liberdade na Terra Prometida. Jesus dá um novo significado à Páscoa hebraica: Seu corpo entregue e Seu sangue derramado são a libertação do pecado, a passagem da morte para a vida. Este é o fundamento da Nova Aliança que Jesus nos trouxe através da Eucaristia.

A Eucaristia é o Banquete, o alimento, o sacrifício que reconstrói a unidade que Jesus almeja para o Seu povo. Quem vive realmente este sacramento torna-se capaz de doar a vida para que a comunhão plena do Povo de Deus se realize.
https://www.rs21.com.br/site/jesusestanomeiodenos/eucaristia/

quinta-feira, 17 de março de 2016

Terço das Santas Chagas

Terço das Santas Chagas 
- Rezado às 15:00 (3 h) horas da tarde

1ª Mistério
Eterno Pai eu te ofereço  as Santas Chagas de Nosso Senhor Jesus Cristo para curar as de nossas almas
Orador: Meu Jesus, perdão e misericórdia
Resposta: pelos méritos de vossas Santas Chagas
-- Meu Jesus, perdão e misericórdia
-- Pelos méritos de vossas Santas Chagas
-- Meu Jesus, perdão e misericórdia
-- Pelos méritos de vossas Santas Chagas
-- Meu Jesus, perdão e misericórdia
-- Pelos méritos de vossas Santas Chagas
-- Meu Jesus, perdão e misericórdia
-- Pelos méritos de vossas Santas Chagas
-- Meu Jesus, perdão e misericórdia
-- Pelos méritos de vossas Santas Chagas
-- Meu Jesus, perdão e misericórdia
-- Pelos méritos de vossas Santas Chagas
-- Meu Jesus, perdão e misericórdia
-- Pelos méritos de vossas Santas Chagas
-- Meu Jesus, perdão e misericórdia
-- Pelos méritos de vossas Santas Chagas
-- Meu Jesus, perdão e misericórdia
-- Pelos méritos de vossas Santas Chagas
2º Mistério
Eterno Pai eu te ofereço  as Santas Chagas de Nosso Senhor Jesus Cristo para curar as de nossas almas
Orador: Meu Jesus, perdão e misericórdia
Resposta: pelos méritos de vossas Santas Chagas
.......
........
3º Mistério
Eterno Pai eu te ofereço  as Santas Chagas de Nosso Senhor Jesus Cristo para curar as de nossas almas
Orador: Meu Jesus, perdão e misericórdia
Resposta: pelos méritos de vossas Santas chagas
.......
........
4º Mistério
Eterno Pai eu te ofereço  as Santas Chagas de Nosso Senhor Jesus Cristo para curar as de nossas almas
Orador: Meu Jesus, perdão e misericórdia
Resposta: pelos méritos de vossas Santas Chagas
.......
........
5ª Mistério
Contemplemos o rosto de Nosso Senhor Redentor
Eterno Pai eu te ofereço  as Santas Chagas de Nosso Senhor Jesus Cristo para curar as de nossas almas
Orador: Meu Jesus, perdão e misericórdia
Resposta: pelos méritos de Vossas Santas Chagas
.......
........
Padre Manzotti

sexta-feira, 4 de março de 2016

Requer-se a atitude de amar

Dom Jacinto Bergmann - Bispo de Tubarão 
Certo que as coisas não andam lá muito boas... O noticiário local, nacional ou internacional convida a um relativo desânimo. Pesquisas das mais variadas dão conta de sérias lacunas éticas na população, os laços familiares são marcados pela efemeridade e o entretenimento, amiúde, pela boçalidade. Chame-se a isso de decadência do Ocidente, crise da pós-modernidade ou “noite cultural” - como a chamava o saudoso papa João Paulo II -, o fato é que os tempos estão difíceis.

O que fazer? Deixar-se condenar a uma atitude blasé? Ceder ao consumo ávido do fogo-fátuo, no mais radical “último dia”? Nossa consciência pede saídas a esse falso dilema. Bem sabemos que os personagens da cena trágica não são obras de ficção, dados estatísticos, abstrações jornalísticas e, muito menos, apelos publicitários em tempos de campanha eleitoral. São gente como eu e você - talvez mesmo eu ou você, gente a quem estamos visceralmente ligados. 

Parafraseando Gandhi, o grande reformador da Índia, tu e eu somos uma coisa só: não te posso fazer mal sem que eu me fira.
E essa consciência incomoda, interpela, requer atitude. Quem sabe, uma receita simples, ao alcance de todos, possível para o dia-a-dia!
O grande místico São João da Cruz tinha uma máxima simples, lapidar: “Onde não há amor, coloca amor e encontrarás amor”. Essa sugestão simples, até aparentemente simplória, contém uma carga transformadora enorme. 

O que o amor é capaz de realizar foi e é eloquentemente testemunhado por santos como Albert Schweitzer, Madre Teresa de Calcutá, Martin Luther King, Irmã Dulce, Dom Luciano Mendes... E poderíamos listar páginas e páginas de pessoas que amaram o ser humano sem medir.
É preciso sempre mais acreditar no amor e fazer o amor o ideal de vida. Amor que Cristo trouxe à Terra e deixou como legado, como ensinamento, como mandamento. 

Amor que tem algumas características bem precisas como: amar a todos, amar por primeiro, amar como a si mesmo, “fazer-se um com o outro”, amar reciprocamente e até amar o inimigo. Este amor representa um caminho de contínua atualidade, acessível a qualquer pessoa que, independentemente de sua convicção religiosa, deseja dar espaço ao valor mais profundo e universal do ser humano, o amor.

O chineses costumavam dizer que, se cada um varrer a calçada da própria casa, toda a cidade ficará limpa. Se a esse princípio somarmos a máxima do santo poeta espanhol acima citado, São João da Cruz, quem sabe não desbravaremos no cipoal da nossa história pessoal e coletiva uma trilha de esperança.
Pronúncia desta palavra, apesar de se escrever blasé, ela é pronunciada como "blasê"
Blasé - sinônimo: ato de tornar insensível ou indiferente, uma pessoa cética, apática, ou indiferente, "incapaz de reagir a novos estímulos
Um indivíduo pode revelar uma atitude blasé por tédio, cansaço ou por ser esnobe.

segunda-feira, 1 de fevereiro de 2016

Apresentação de Jesus no Templo - 02 de Fevereiro

José e Maria foram com Jesus após quarenta dias de seu nascimento para ser apresentado ao templo de Jerusalém. Um momento especial na Sagrada Família, onde ocorre a consagração de todos aqueles que se colocam sob os passos de Jesus por amor ao Reino de Deus.

Por tanto, vamos celebrar o dia de hoje revivendo este momento e também doar nossas vidas aos ensinamentos do Senhor.

A Igreja celebra no dia 2 de fevereiro a festa da Apresentação de Jesus no Templo. O Catecismo da Igreja explica este momento importante na vida do Menino Jesus: 

“A apresentação de Jesus no Templo mostra-o como o Primogênito pertencente ao Senhor. Com Simeão e Ana, é toda a espera de Israel que vem ao encontro de seu Salvador. Jesus é reconhecido como o Messias tão esperado, “Luz das nações” e “Glória de Israel”, mas também “sinal de contradição”. A espada de dor predita a Maria anuncia esta outra oblação, perfeita e única, da Cruz, que dará a salvação que Deus “preparou diante de todos os povos”. (§529) 

O Papa João Paulo II fez uma bela Catequese sobre este tema, que transcrevo aqui, retirado do jornal L’Osservatore Romano, Ed. Port. n.50, 14/12/1996, pag. 12(580) 

1. “No episódio da apresentação de Jesus no Templo, São Lucas ressalta o destino messiânico de Jesus. Objetivo imediato da viagem da Sagrada Família, de Belém a Jerusalém, é, segundo o texto lucano, o cumprimento da Lei: “Quando se cumpriu o tempo da sua purificação, segundo a lei de Moisés, levaram-no a Jerusalém para O apresentarem ao Senhor, conforme está escrito na lei de Deus: Todo o primogênito varão será consagrado ao Senhor” e para oferecerem em sacrifício, como se diz na lei do Senhor, um par de rolas ou duas pombinhas” (Lc. 2, 22-24).Com este gesto, Maria e José manifestam o propósito de obedecer fielmente à vontade de Deus, rejeitando qualquer forma de privilégio. A vinda deles ao templo de Jerusalém assume o significado de uma consagração a Deus, no lugar da Sua presença.Induzida pela sua pobreza a oferecer rolas ou pombinhas, Maria dá na realidade o verdadeiro Cordeiro, que deverá redimir a humanidade, antecipando com o seu gesto quanto era prefigurado nas ofertas rituais da Antiga Lei. 

2. Enquanto a Lei requeria apenas à Mãe a purificação após o parto, Lucas fala do “tempo da suapurificação” (Lc 2, 22), querendo, talvez, indicar ao mesmo tempo as prescrições relativas à Mãe e ao Filho primogênito.A expressão “purificação” pode surpreender-nos, porque é referida a uma Mãe que obtivera, por graça singular, ser imaculada desde o primeiro instante da sua existência, e a um Menino totalmente santo. É preciso porém, recordar que não se tratava de purificar a consciência de alguma mancha de pecado, mas somente de readquirir a pureza ritual, a qual, segundo as idéias do tempo, era atingida pelo simples fato do parto, sem que houvesse alguma forma de culpa.O evangelista aproveita a ocasião para sublinhar o vínculo especial que existe entre Jesus, enquanto “primogênito” (Lc. 2, 7.23) e a santidade de Deus, bem como para indicar o Espírito de humilde oferenda que animava Maria e José (cf.Lc. 2, 24). Com efeito, o “par de rolas ou duas pombinhas” era a oferta dos pobres (Lv. 12, 8). 

3. No Templo José e Maria encontram-se com Simeão, “homem justo e piedoso, que esperava a consolação de Israel” (Lc. 2, 25).A narração lucana nada diz do seu passado e do serviço que exerce no Templo; fala de um homem profundamente religioso, que cultiva no coração desejos grandes e espera o Messias, consolador de Israel. Com efeito, “o Espírito Santo estava nele” e “tinha-lhe… revelado… que não morreria antes de ter visto o Messias do Senhor” (2, 26). Simeão convida-nos a contemplar a ação misericordiosa de Deus, o Qual efunde o Espírito nos seus fiéis para realizar o Seu misterioso projeto de amor.Simeão, modelo do homem que se abre à ação de Deus, “impelido pelo Espírito” (Lc. 2, 27), vai ao Templo onde encontra Jesus, José e Maria. Tomando o Menino nos braços, bendiz a Deus: “Agora, Senhor, podes deixar o Teu servo partir em paz, segundo a Tua palavra” (Lc. 2, 29).Expressão do Antigo Testamento, Simeão experimenta a alegria do encontro com o Messias e sente ter alcançado o objetivo da sua existência; pode, então, pedir ao Altíssimo que lhe conceda a paz da outra vida.No episódio da apresentação pode divisar o encontro da esperança de Israel com o Messias. Pode-se também ver nele um sinal profético do encontro do homem com Cristo. O Espírito Santo torna-o possível, suscitando no coração humano o desejo desse encontro salvífico e favorecendo a sua realização.Nem podemos transcurar o papel de Maria, que entrega o Menino ao santo varão Simeão. Por vontade divina, é a Mãe que dá Jesus aos homens. 

4. Ao revelar o futuro do Salvador, Simeão faz referência à profecia do “Servo”, enviado ao Povo eleito e às nações. A Ele o Senhor diz: “Formei-Te e designei-Te como aliança do povo e luz das nações” (Is. 42, 6). E ainda: “É pouco que sejas Meu servo para restaurares as tribos de Jacó e reconduzires os sobreviventes de Israel. Vou fazer de ti luz das nações, a fim de que a Minha salvação chegue até aos confins da terra” (Is. 49, 6).No seu cântico Simeão inverte a perspectiva, pondo em evidência o universalismo da missão de Jesus: “Os meus olhos viram a Salvação, que preparaste em favor de todos os povos: Luz para iluminar as nações e glória de Israel, Teu povo” (Lc. 2, 30-32).Como não maravilhar-se diante de tais palavras? “O pai e a Mãe de Jesus estavam admirados com o que se dizia d’Ele” (Lc. 2, 23). Mas José e Maria, com esta experiência, compreendem de modo mais claro a importância do seu gesto de oferta: no Templo de Jerusalém apresentam Aquele que, sendo a glória do Seu povo, é também a salvação da humanidade inteira. 
PROF FELIPE AQUINO
DO Livro: A VIRGEM MARIA – 58 CATEQUESES DO PAPA JOÃO PAULO
...............................
O Evangelho de São Lucas narra que, depois do nascimento de Nosso Senhor e decorrido o prazo que a Lei mosaica estabelecia para a purificação das mulheres que davam à luz, Nossa Senhora e São José levaram o Menino Jesus ao Templo para O apresentarem a Deus, conforme também prescrito na Lei.

sexta-feira, 29 de janeiro de 2016

Porque dizem que a mulher adúltera era a Maria Madalena?

Pax Christi!

É uma "meia-verdade". O que ocorreu, na verdade, foi a existência de dois entendimentos PARALELOS entre os fiéis cristãos:
O primeiro, MAIS ANTIGO e MAJORITÁRIO, era o de que Maria Madalena NÃO ERA a pecadora apontada por Lucas 7, NEM a irmã de Marta e Lázaro (como também demonstraremos mais abaixo).
O segundo, surgido TARDIAMENTE (por volta do século VII) e MINORITÁRIO, afirmava que Maria Madalena era irmã de Marta e Lázaro, e a pecadora referida por Lucas 7.


Este último entendimento se deu, de fato, por uma associação indevida do nome "Maria" - muito freqüente - e fatos que se deram de forma semelhante ou estavam muito próximos uns dos outros: uma pecadora ungiu os pés de Jesus (Lc. 7,36-50) assim como Maria (Jo. 12,3-8), irmã de Marta e Lázaro, que tem o mesmo prenome de Madalena (cfr. Lc. 10,38-42 x Mc. 16,9), a qual, por ser "pecadora", teve 7 demônios expulsos de seu corpo (Lc. 8,2)...

Ora, a leitura atenta da Bíblia demonstra que cada uma destas personagens era realmente uma pessoa distinta das demais:
1) Maria Madalena foi a mulher de quem Jesus expulsou sete demônios (Mc. 16,9; Lc. 8,2); que acompanhava e servia Jesus na Galiléia (Lc. 8,2); que acompanhou Jesus até a Judéia pouco antes da Paixão (Mt. 27,55; Mc. 15,41); que ficou diante da Cruz (Mt. 27,55; Mc. 15,41; Jo. 13,25); que levou perfumes para ungir o corpo do Senhor no sepulcro (Mt. 28,1; Mc. 16,1-2; Lc. 24,1; Jo 20,1); que viu pessoalmente o Senhor ressuscitado (Mc 16,9); e que foi enviada aos apóstolos pelo Senhor (Jo. 20,17).

A mulher adúltera de João 8 - segundo Wilson Paroschi

A mulher adúltera de João 8 - segundo Wilson Paroschi

O que se pode entender, com base na Bíblia e nos escritos de Ellen White, sobre a identidade dessa mulher.Seria possível dizer que Maria Madalena, Maria de Betânia e a pecadora de João 8 seriam a mesma pessoa?


O Novo Testamento parece fazer referência a oito Marias: a mãe de Jesus (Mt 1:18; 2:11; 13:55; At 1:14); a mãe de Tiago e de José (Mt 27:56; Mc 15:40; 16:1; Lc 24:10); Maria “chamada Madalena” (Lc 8:2; 24:10; Jo 19:25; 20:1); Maria de Betânia, irmã de Marta e Lázaro (Lc 10:38-42; Jo 11:1-44) a “outra Maria” (Mt 27:61; 28:1); a esposa de Cléopas (Jo 19:25); a mãe de Marcos (At 12:12); e mais uma que morava em Roma (Rm 16:6). Porém, é provável que Maria, mãe de Tiago e José, a “outra Maria” e Maria, esposa de Cléopas, fossem a mesma pessoa. Maria, mãe de Tiago e José é mencionada por Mateus juntamente com Maria Madalena, entre as demais mulheres que estiveram na cena da crucifixão (Mt 27:55, 56). Logo em seguida, ainda no contexto da morte e ressurreição de Jesus, Mateus fala de Maria Madalena e da “outra Maria” (Mt 27:61; 28:1), o que nos leva a crer que essa tenha sido a mesma Maria, mãe de Tiago e José. Quando cruzamos as informações de Mateus, Marcos e João sobre as mulheres que estiveram junto à cruz (Mt 27:55, 56; Mc 15:40; Jo 19:25), não é difícil concluir que Maria, esposa de Cléopas, também consiste na mesma pessoa. Nesse caso, em vez de oito, as Marias do Novo Testamento seriam seis. Porém, neste artigo, vamos estudar as referências a duas delas: Maria Madalena e Maria, irmã de Marta e Lázaro, na tentativa de descobrir se elas eram a mesma pessoa. Também consideraremos a hipótese, até certo modo difundida nos meios adventistas, de que a pecadora de João 8 também fosse Maria Madalena.

A Mulher Adúltera Começando pela pecadora de João 8:2-11, o texto não informa nada a seu respeito: seu nome, onde morava, nem seu estado civil. A tentativa de apedrejamento após o flagrante de adultério não prova necessariamente que fosse casada. Se fosse noiva, a pena seria a mesma. Porém, o castigo raramente era aplicado nos dias de Jesus. Na verdade, o relato sugere que tudo não passou de armação, a fim de pôr Jesus à prova, em público e, quem sabe, apanhá-lo em algum deslize: se recomendasse o apedrejamento, perderia Sua influência perante o povo, de quem Se dizia defensor. Se não, os líderes judaicos O acusariam de descumprimento da lei de Moisés (Dt 22:22). Foi brilhante Sua estratégia de escrever na areia os pecados dos acusadores (O Desejado de Todas as Nações p. 461). Assim, Ele conseguiu inverter os papéis, expor a hipocrisia dos acusadores e perdoar a mulher. Contudo, não há nada no texto que permita ou impeça uma identificação com Maria Madalena. Sobre a autenticidade do relato em si (aparece entre colchetes em várias versões bíblicas), João 7:53-8:11 de fato não consta nos melhores e mais antigos escritos gregos de João. Mas, há evidências ou indícios de sua antiguidade e autenticidade histórica. Poucos duvidam de que a história seja autêntica, tendo sido preservada oralmente ou mediante alguma tradição escrita paralelamente, até que mais tarde acabou sendo incorporada nos manuscritos do Novo Testamento. Temos apenas que nos lembrar de que Jesus fez e falou muito mais do que foi registrado (Jo 21:25), e que diversas histórias permaneceram vivas na memória da igreja por muito tempo, após os evangelhos terem sido escritos.

CARTA ENCÍCLICA DO SUMO PONTÍFICE FRANCISCO

CARTA ENCÍCLICA

LUMEN FIDEI

DO SUMO PONTÍFICE

FRANCISCO
AOS BISPOS
AOS PRESBÍTEROS E AOS DIÁCONOS
ÀS PESSOAS CONSAGRADAS
E A TODOS OS FIÉIS LEIGOS

SOBRE A FÉ

1. A luz da fé é a expressão com que a tradição da Igreja designou o grande dom trazido por Jesus. Eis como Ele Se nos apresenta, no Evangelho de João: « Eu vim ao mundo como luz, para que todo o que crê em Mim não fique nas trevas » (Jo 12, 46). E São Paulo exprime-se nestes termos: « Porque o Deus que disse: "das trevas brilhe a luz", foi quem brilhou nos nossos corações » (2 Cor 4, 6). No mundo pagão, com fome de luz, tinha-se desenvolvido o culto do deus Sol, Sol invictus, invocado na sua aurora. Embora o sol renascesse cada dia, facilmente se percebia que era incapaz de irradiar a sua luz sobre toda a existência do homem. De facto, o sol não ilumina toda a realidade, sendo os seus raios incapazes de chegar até às sombras da morte, onde a vista humana se fecha para a sua luz. Aliás « nunca se viu ninguém — afirma o mártir São Justino — pronto a morrer pela sua fé no sol ».[1] Conscientes do amplo horizonte que a fé lhes abria, os cristãos chamaram a Cristo o verdadeiro Sol, « cujos raios dão a vida ».[2] A Marta, em lágrimas pela morte do irmão Lázaro, Jesus diz-lhe: « Eu não te disse que, se acreditares, verás a glória de Deus? » (Jo 11, 40). Quem acredita, vê; vê com uma luz que ilumina todo o percurso da estrada, porque nos vem de Cristo ressuscitado, estrela da manhã que não tem ocaso.
Uma luz ilusória?

Dores do Calvario

O corpo exposto.
Ferido e cortado.
O ser dilacerado.
O ser puro em sua dor,
Morrendo por Amor
No monte do calvário
O céu estremeceu
A escuridão desceu
O Deus da vida morreu
Incredulidade e agonia
Torpor e desamparo
Pedro sentia
Seu caminho perdido
O amigo falecido
Sua mãe aos pés da Cruz
O filho recebia
E de tanta dor não se continha
A lágrima corria
A dor se derretia
Tanto sofrimento
No corpo e nos olhos de um inocente
Mas a Luz se acendeu
Ressuscitou o Galileu

Brilharam os corações
O céu resplandeceu.
O amor venceu.
Deolinda S.V. 21/08/2015

quinta-feira, 28 de janeiro de 2016

Oração de São Francisco

Senhor, fazei de mim um instrumento de vossa paz;
Onde houver ódio, que eu leve o amor;
Onde houver discórdia, que eu leve a união;
Onde houver dúvidas, que eu leve a fé;
Onde houver erros, que eu leve a verdade;
Onde houver ofensa, que eu leve o perdão;
Onde houver desespero, que eu leve a esperança;
Onde houver tristeza, que eu leve a alegria;
Onde houver trevas, que eu leve a luz.

Ó Mestre, fazei com que eu procure mais consolar,
que ser consolado;
Compreender, que ser compreendido;
Amar, que ser amado;
Pois é dando que se recebe;
É perdoando, que se é perdoado;
E é morrendo que se vive para a vida eterna

segunda-feira, 25 de janeiro de 2016

Mario Sergio Cortella palestra

Um dia...Pronto!...Me acabo.
Pois seja o que tem de ser.
Morrer: Que me importa?
O diabo é deixar de viver.
Mario Quintana

Quando deixamos de viver?
Quando a gente tem uma vida banal, pequena, fútil, superficial, morna, quando a gente apequena a vida que tem.

A vida é muito curta para ser pequena. - Benjamin Disraeli

O dia de finados tem uma finalidade que é nos lembrar que mortais somos, nós sabemos que vamos morrer, temos consciência disso e ficamos pensando...

Vida é partilha, trocamos oque sabemos e sabemos diferentes coisas cada um de nós
Mesa de natal não é a comida mas a partilha ás vezes só tem comida e não partilha

A vida não é cada um por si e Deus por todos alias Maratan Magandhi nos avisou sobre isso a filosofia de olho por olho um dia todos acabamos cegos

Gente morna - no apocalipse, livro final da Bíblia,  Deus diz que vomitará o morno

Gente mais ou menos que não se compromete 
Ex. como esta o casamento?  melhor com ele pior sem ele
      como vai a comunidade - vai levando
      e em casa   -  vou ver o que dá

Morna na amizade - dá só as ponas dos dedos para apertar

Afeto e conhecimento se guardar se perde

Já viu gente que vai na missa e escolhe a mais curta, você pensa que teu Deus é tonto, não sabe.

Se você não existisse que falta faria?
Morrer é ser esquecido, mas quando faz falta não é esquecido
Recordar é fazer passar de novo pelo coração e enquanto alguém estiver contido na memoria, no coração, te recordar - você está vivo

Para fazer falta você tem que ser importante
não confundir com fama, a fama passa a importância fica
Só tem um jeito de ficar, é ser importante
Ser importante é alguém que eu levo para dentro
trago de fora e levo para dentro de mim, levo para o coração, para a memoria

Quem ama não desiste, cuida. Quando esta desistindo é porque está deixando de amar.

Mario Quintana mandou escrever no túmulo dele:  eu não estou aqui. Onde esta ele?

Na amizade que ofereceu, no que repartiu, ele está em nós.
Cuidar do que fazemos com amor.

Para não ser morna tem que ter uma vida com propósito
Nao se apequene nos relacionamentos, no modo de agir. Pessoas mornas no trabalho. dizem para o que ganho está bom, trabalham com desanimo. Imagina o corpo de bombeiros. Está pegando fogo. E daí, meu  horário acabou, estou indo embora. Um médico não vou saturar mais, meu horário acabou, para o que ganho está bom.

Quando me for, o que vai ficar?
Honra sua existência, não apodreça. Que apodreça a carne, mas não as lembranças.
Ética não é cosmética, coisa de faixada.
Afaste-se de funcionário velho, ele sabe udo, não precisa aprender mais nada. É morno, já sabe, não precisa se mexer.

Aproxime-se de funcionário idoso, ele vai aprender, é entusiasmado, frequenta debates, gosta de aprender, coisas novas, está aberto, vai buscar,

A pessoa velha é homicida, assassina o ambiente.

O Padre Antonio Vieira num sermão disse: o peixe apodrece pela cabeça. 

Há pessoas que apodrecem pela cabeça. É morna, se acomodou, mediocridade.



O que as pessoas dizem quando no hospital estão prestes a morrer.
É me deixa ficar mais um dia para abraçar meu amigo, pedir perdão.
Brincar com meu filho

Qual a tua obra?
Eu vou morrer e você também.
Não posso ser imortal posto que sou mortal, mas quero ser eterno. 

Quer ser eterno?  É ajudar os outros

Porque fez o que fez? Deus vai perguntar

Não nascemos prontos, então colabore com a obra, evolua.

Aprecie a vida, pequenas coisas.
Gosto de musica boa e para mim é a musica que me emociona

Incompetente com iniciativa é muito perigoso

Tem gente que aos 18 anos já é impermeável, se fecha.

É morno e inútil

Perguntaram a um aluno o que Mem de Sá fez?
Fez o que pode, foi a resposta. Ele é o padroeiro do velho, Morno.

Fez o que pode eu faço o que posso é a falência da ação

Vou fazer o melhor é diferente, é questão de atitude, de fazer o que posso.


Na sua atividade você está fazendo o possível ou o melhor. Não é o melhor do mundo é o seu melhor, na condição que você tem, senão cai na mediocridade.

Está na media, tirou nota 5. É medíocre.
Mediocridade é falta de capricho. Quando chego tarde na casa da minha mãe, ela me pergunta almoçou e percebe que não, vai para a cozinha faz um macarrão rápido no óleo, mas não esquece de colocar um tomate cortadinho, isso é capricho, cuidado.
Faz o melhor naquela condição enquanto não tem condições melhores para fazer melhor ainda.

Para a vida ser melhor, não sermos fúteis é preciso fazermos o nosso melhor, é preciso pensar na obra, não ser pequeno

U homem que admiro  São Bento de Núrsia criou uma ordem religiosa chamada beneditina cujo lema era: reze e trabalhe (ore et labore).
Se ora e não trabalha as coisas não acontecem e se só trabalhar sem rezar as coisas perdem a reverência.
Criou uma regra de funcionamento  no convento o que o monge deve e não deve fazer. Criou uma regra de nº 34, quem desobedecer será mandado embora da ordem. Regra:  é proibido resmungarnão é proibido debater, discutir nem discordar, só resmungar. 
Existe gente que só resmunga e não age, passa o tempo todo amaldiçoando a escuridão em vez de acender vela

A frase predileta do resmungão: que horror alguém tem que fazer alguma coisa
O resmungão é medíocre, vagabundo , para ele nada pode ser feito, Tem uma característica é pessimista, mas se chama de realista, não ha nada que valha apena mexer, nada pode ser feito, nada vai dar certo. Pessimista senta e espera dar errado.
O otimista vai atras, chora se arrepende, tem que estudar, fazer curso, correr atras, quer largar, volta, mas a vida dele não é pequena, ele executa, junta, volta, chora, se arrepende, faz outra vez.

Democracia não é ausência de ordem é ausência de opressão, a ordem, disciplina precisa existir.

Qual é a sua obra? E você se vai, e eu também, quando você se for o que vai ficar?
A gente não quer ser medíocre e para não ser é preciso fazer o melhor nas condições que temos enquanto não  tiver condições melhores para fazer melhor ainda.

Mas dá na mesma? Tanto faz fazer ou não, não vai acontecer nada..
Essa é a hora de lembrar que é proibido resmungar, e lembrar que se ganha uma vida que não seja fútil, vazia, superficial, morna.

O que se leva desta vida é a vida que a gente leva. Visconde de Itararé. (gaúcho Apparício Fernando de Brinkerhoff Torelly (1895-1971)

Um grande homem Albert Schweitzer, teólogo, músico, filósofo e médico, nascido na Alsácia, então parte do Império Alemão. Nasceu em: 14 de janeiro de 1875, faleceu em: 4 de setembro de 1965 no Gabão. Viveu 35 anos no Gabão ajudando, faloua tragedia não é quando um homem morre, a tragedia é aquilo que morre dentro de um homem enquanto ele está vivo.
O que não pode morrer é  a dignidade de um homem, de uma vida que não seja fútil inútil.

François Rabelais, padre,  monge franciscano em 1521 pediu transferência para o convento São bento, mais dedicado á cultura, foi monge benedito do seculo XVI, abandonou a vida clerical para se dedicar aos estudos, médico, advogado. Morreu em 1563. Disse: conheço muitos que não puderam quando deviam porque não quiseram quando podiam.
A gente quer, pode e deve isso significa que a gente consolida algo que é nossa capacidade de obra.

Chico Xavier disse: embora ninguém possa voltar atras e fazer um novo começo, mas qualquer um pode começar agora a fazer um novo fim.

Se você não existisse, que falta faria? Pense nisso.
Me despeço com um cumprimento árabe:  vida longa e morte rápida.  Significa viva bastante, mas quando for a tua hora que seja de imediato, é um desejo fortíssimo.

Transcreção de pedaços do vídeo de Mario Sergio Cortella que se encontra no youtube, abaixo
https://youtu.be/3rzvOqrtWIc

domingo, 24 de janeiro de 2016

COMO ERA A PESSOA DE JESUS CRISTO

COMO ERA A PESSOA DE JESUS CRISTO, documento em ROMA (enviado por Públios Lentulus)

Do senador e governador da Judéia, Públios Lentulus, que substituíu Pilatos para o Imperador César Romano:
- Soube ó César, que desejavas informações acerca desse homem virtuoso que se chama Jesus, que o povo considera um profeta, e seus discípulos, o filho de Deus, criador do céu e da terra.

Com efeito, César, todos os dias se ouvem contar dele coisas maravilhosas.
Numa palavra, ele ressuscita os mortos e cura os enfermos.
É um homem de estatura regular, em cuja fisionomia se reflete tal doçura e tal dignidade que a gente sente obrigado a amá-lo e temê-lo ao mesmo tempo.
A sua cabeleira tem até as orelhas, a cor das nozes maduras e, daí aos ombros tingem-se de um louro claro e brilhante; divide-se uma risca ao meio, á moda nazarena.
A sua barba, da mesma cor da cabeleira, e encaracolada, não longa e também repartida ao meio.

Os seus olhos severos têm o brilho de um raio de sol; ninguém o pode olhar em sua face. 

“A gravura acima de Jesus, pintada pelo próprio Públios Lentulus” Quando ele acusa ou verbera, inspira o temor, mas logo se põe a chorar.
Até nos rigores é afável e benévolo.
Diz-se que nunca ninguém o viu rir, mas muitas vezes foi visto chorando.
As suas mãos são belas como seus braços, toda gente acha sua conversação agradável e sedutora.
Não é visto amiúde em público e, quando aparece, apresenta-se modestissimamente vestido.
O seu porte é muito distinto. É belo.
Sua mãe, aliás, é a mais bela das mulheres que já se viu neste país..
Se o queres conhecer, ó César, como uma vez me escreveste, repete a tua ordem e eu te o mandarei.
Se bem que nunca houvesse estudado, esse homem conhece todas as ciências.
Anda descalço e de cabeça descoberta.
Muitos riem, quando ao longe o enxergam; desde que porém. se encontram face a face com ele, tremem e admiram-no.
Dizem os hebreus que nunca viram um homem semelhante, nem doutrinas iguais às suas
Muitos crêem que ele seja Deus, outros afirmam que é teu inimigo, ó César.
Diz-se ainda que ele nunca desgostou ninguém, antes se esforça para fazer toda gente venturosa.

OBS 1
A descrição acima foi traduzida de uma carta de Públius Lentulus a César Augusto, Imperador de Roma.
Públius Lentulus, senador, foi predecessor de Pôncio Pilatos como governador da Judéia, na época em que Jesus Cristo foi cruxificado. O texto original encontra-se na biblioteca do Vaticano.
Comprovada sua autenticidade, tornou-se, fora da Bíblia, o documento mais importante sobre a pessoa do Senhor Jesus.

OBS 2
Sabemos também que após a crucificação de Cristo, algum tempo depois, Públius Lentulus perdeu sua esposa na arena e após, tornou-se seu seguidor e, juntamente com sua filha Lívia, levava a palavra de Deus aos povos da época 

sábado, 23 de janeiro de 2016

Caminhos imagens

ORAÇÃO


Com Deus me deito
Com Deus me levanto
Com a graça de Deus
E do Divino Espirito Santo
Rezo até hoje esta oração quando vou dormir

Numa antiga oração popular, ensinada às crianças para que seja orada antes de dormir, encontramos uma expressão muito interessante:

Com Deus me deito, com Deus me levanto...

Eis então algumas considerações importantes inspiradas neste costume:

Com Deus me deito...

Que importante anelo para alguém que se prepara para o sono!

Tendo em vista que ao dormir, ao se penetrar o universo do sono e dos sonhos, ninguém pode garantir a qualidade deste transe, a harmonização com Deus faz-se fundamental.

Cada pessoa que se desprende do corpo físico, passa a travar contato com os variados tipos espirituais.
Amigos uns, inimigos outros, comparsas do pretérito reencarnatório, incontáveis.

Por causa disso, torna-se primordial criar-se o hábito benfazejo de orar, antes de dormir, entregando a mente, os raciocínios e os sentimentos às mãos do Criador.

Quando alguém mergulha nesse rio do sono, não tem idéia de com quem deparará.

É o que nos ajuda a entender os sonhos suaves, cheios de estesias, repletos de alegrias, que levam muita gente a dizer que chega a ter vontade de não despertar.

Há, por outro lado, os conhecidos pesadelos, que não são, senão, o resultado do contato angustiante e perturbador com adversários ou inimigos, cobradores, em vários níveis, das condutas daquele que dorme.

Deitar-se com Deus, então, transforma-se em providência muito feliz, com o fito de libertar-se de qualquer perseguição sombria.

Com Deus me levanto...

Em realidade, a referência é ao ato de despertar do sono.
É fundamental alguém aprender a levantar-se com Deus, num mundo em que, de costume, muitos indivíduos anseiam por levantar-se admitindo a não necessidade de cogitar Deus.

Quantos indivíduos, caídos na rua da amargura, rogam a ajuda divina para erguer-se da dificuldade em que se acham?

Mãos anônimas, mãos amigas, benfeitores humanos, socorristas encarnados, atendentes sociais, todo este plantel de almas do bem representa a presença de Deus junto aos irmãos que sofrem.

Tanto caminho, tanta ajuda, tanto apoio impulsionarão o sofredor para que ele se levante, e se levante com Deus.

Quantos experimentam dramas econômico-financeiros, fazendo-se endividados, inadimplentes, desgastados sociais, desacreditados, muito embora a sua honestidade, a sua consciência dos próprios deveres?

Esses companheiros anseiam pelo socorro de amigos e de instituições bancárias que lhes retirem do pescoço o nó, que lhes ofertem algum oxigênio.

Assim livrando-os da sufocação em que se acham, para que se levantem, e se levantem com Deus.

Qualquer que seja a queda humana, material ou moral, a possibilidade de levantar-se com Deus, com o apoio do Mundo Superior, será sempre a melhor maneira de se levantar no Planeta.

* * *
A oração é uma das melhores maneiras de nos colocarmos em sintonia com os amigos espirituais.

Eis um hábito muito salutar: travar conversas constantes, onde quer que estejamos, com nosso Espírito Protetor, e com os Espíritos afins que nos acompanham diariamente.

Mantendo-nos em sintonia com os bons Espíritos, através de pensamentos elevados, de alegria, gratidão e amor, conseguiremos ouvir suas inspirações, e delas nos utilizarmos para nosso bem.

Contemos mais com este recurso fabuloso que temos: a prece, e nos surpreendamos com os bons resultados obtidos.